28 de Janeiro de 2009
Por José Manuel Costa

Richard Edelman

 

Davos, a estância suíça imortalizada na “Montanha Mágica” de Thomas Mann, acolhe desde hoje e até ao próximo Domingo mais um encontro do Fórum Económico Mundial. A participação deste ano é recorde, contando com mais de 2000 pessoas, entre as quais estão cerca de 40 chefes de Estado e de Governo, como os primeiros-ministros chinês e russo, Wen Jiabao e Vladimir Putin, respectivamente.

 

Sob o espectro da ameaça da recessão global e do já crónico “travão” imposto pelas políticas proteccionistas que teimam em persistir, Davos volta a reunir este ano representantes do mundo empresarial, institucional e político para discutirem os problemas e abordarem os desafios mundiais. Em ano de crise, tal conclave adquire ainda mais importância, seja nas apresentações das conferências ou nas conversas de corredores. 
 
Um dos presentes em Davos é Richard Edelman, director executivo da Edelman da qual o Grupo GCI é afiliada, e que apresentou esta manhã o muito aguardado "Trust Barometer 2009”, um estudo de confiança e de credibilidade empresarial e institucional que aquela consultora de comunicação e public relations já realiza há dez anos.
 
O “Trust Barometer 2009" recolheu o testemunho de 4500 “opinion leaders” de 20 países, de modo a asseverar o estado da credibilidade que os cidadãos depositam em entidades que podem ir desde organizações não governamentais a bancos ou empresas.
 
Uma das conclusões que o “Trust Barometer” deste ano revela é a queda de todos os indicadores, algo inédito no historial daquele estudo. Como revelou ao Financial Times, Neal Flieger, responsável da área de Public Affairs da Edelman, “nos anos anteriores quando uma categoria subia, outra descia. Este ano, todas descem”.
 
Perante este cenário, Flieger refere que o caminho para a recuperação da credibilidade e da confiança passa pelo facto das empresas e das instituições reconhecerem as suas responsabilidades face aos problemas do mundo.
 
Uma ideia corroborada pelo próprio Richard Edelman que, em entrevista à BBC World, exorta especificamente aos CEO’s das empresas para “não se esconderem” dos problemas das sociedades. Porque, uma das conclusões avançadas por Edelman é o facto da confiança e da credibilidade no mundo empresarial e dos negócios ter caído de forma acentuada.
 
É por esta razão que Richard Edelman antecipa o grande tema de Davos como sendo o do conceito de “responsabilidade social mútua”, no qual se verificará uma partilha de sacrifícios entre  os dirigentes das empresas e aquilo a que chama de “sector privado da diplomacia”. E deixa ainda o aviso: “As empresas que se afastem dos grandes temas sociais ou que digam que não podem dar-se ao luxo de serem sustentáveis estão a cometer um grande erro.”
 

| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds