3 de Abril de 2009
Por José Manuel Costa

 
Um dos aspectos interessantes quando se parte para uma análise de determinada problemática é tentar compreendê-la nas suas diversas perspectivas. Ao ler recentemente dois artigos publicados no suplemento de saúde do Financial Times, foi possível encontrar diferentes ângulos de um mesmo tema.
 
A insustentabilidade dos sistemas de saúde públicos, e até mesmo privados, parece ser cada vez mais uma fatalidade, mas paradoxalmente por razões que podem resultar da própria evolução positiva na qualidade e no bem-estar das sociedades ocidentais. Nestas, as pessoas vivem mais anos e com mais qualidade. Mas, isto implica necessariamente mais gastos nos sistemas de saúde.   
 
A longevidade humana tem assim um preço elevado que poderá condenar o próprio sistema onde a mesma se torna possível.
 
A evolução da medicina permite-nos cada vez mais opções e os custos com a saúde crescem de ano para ano desafiando os especialistas da Health Economics a pensar novas soluções para um velho problema que na verdade é inevitável, não fosse o facto de ter-se iniciado nos anos 60 o caminho para a quase inversão das pirâmides etárias nos países desenvolvidos. A população activa é sobejamente inferior ao crescente número de idosos que representam a grande fatia do investimento em saúde.
 
A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) fez um levantamento da evolução da despesa de Estado com a saúde nos seis países originais da Comunidade Europeia, entre 1965 e 2006, e verificou que os gastos duplicaram: de 4,9% passaram para 10,2% do PIB. As projecções apontam para que em 2050 a maioria dos países da OCDE estejam a gastar cerca de 20% do PIB na saúde e que nos Estados Unidos este valor chegue mesmo aos 30%. Em Portugal, no ano de 2009, a fatia prevista é de 5,1%.
 
É sobre estes e outros factores que a GCI, sobretudo através do seu Inside Health, tenta estudar os vários ângulos da problemática da saúde e dos seus sistemas adjacentes. Porque só desta maneira, é possível promover uma consultoria de comunicação adequada e ajustada aos desafios que se impõe aos clientes do Grupo GCI.

 

Categorias: ,

| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds