22 de Setembro de 2009
Por José Manuel Costa

Na semana passada, o jornal Meios & Publicidade perguntou-me porque razão deve a sustentabilidade estar na agenda das empresas.


Agora que o artigo foi publicado, coloco as minhas repostas neste espaço.

 


1. Pelo ambiente. Em 1987, Gro Harlem Brundtland (que estave na sexta-feira em Portugal, no Green Fest) e o seu “Brundtland Report” colocaram o conceito de desenvolvimento sustentável nas agendas políticas.

 

Passados 22 anos, a discussão da sustentabilidade está a evoluir para as suas vertentes económica e social, mas não devemos esquecer que ainda estamos longe de assegurar a entrega do planeta, às futuras gerações, da mesma forma que o encontrámos.

 

2. Pelos consumidores. Uma empresa ou marca que não seja ambientalmente sustentável está condenada ao insucesso. Mais que não seja, isso acontecerá porque os seus consumidores irão recusar-se a comprar produtos que ponham em risco a sustentabilidade ambiental.

 

E já não há outro caminho para os executivos trilharem. Isto obrigará, a breve prazo, à mudança de modelos de negócio, processos, tecnologias ou produtos – mas também de políticas de comunicação. Por exemplo, este ano alargámos o conceito de sustentabilidade, no Green Project Awards, à componente económica e social. Porque o conceito de sustentabilidade há muito que deixou de abranger apenas a área ambiental.

 

3. Pelo negócio e  inovação. A sustentabilidade é hoje um dos principais drivers da inovação e do desenvolvimento empresarial. E não é mito que as empresas que apostam na sustentabilidade ambiental conseguem diminuir os custos e melhorar as receitas.

 

Um edifício ambientalmente sustentável poderá ter um custo inicial superior mas, a médio prazo, terá o retorno deste investimento, através da poupança de energia ou água. E isto acontece por pressão dos consumidores e outros stakeholders mas também, e sobretudo, dos próprios colaboradores da empresa.

 

Marcas como a Nike ou Best Buy, nos Estados Unidos, estão a partilhar ideias criativas de design sustentável no projecto GreenXchange – e fazem-no não apenas porque têm consciência ambiental mas também pelo negócio e inovação.

 

Recentemente, um estudante indonésio anunciou que registou a patente de um outdoor publicitário ecológico que purifica o ar. Já viu o que isto significa, em termos de negócio, para as empresas deste sector?


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds