14 de Outubro de 2009
Por José Manuel Costa

Na última quinta-feira demorei 45 minutos a cumprir o trajecto entre o Campo Grande e o Marquês do Pombal. Publiquei este pequeno “drama” no Facebook e, em poucos minutos, os comentários começaram a aparecer: devia ter feito o percurso de bicicleta, utilizar o metro, moto ou transportes públicos. São todas boas soluções. Sobretudo a última.
 
Segundo um estudo das Nações Unidas, em 2050 cerca de 80% da população europeia viverá numa cidade. São números alarmantes que, intercalados com a ânsia portuguesa de ter carro próprio (às vezes mais do que um), pintará de negro o cenário do trânsito em Lisboa ou no Porto – como em várias outras grandes cidades europeias e mundiais.

 

O assunto da mobilidade nas grandes cidades é cada vez mais discutido globalmente. Na sexta-feira, por exemplo, o Wall Street Journal publicou um excelente artigo de David Owen sobre os congestionamentos de trânsito. Segundo Owen, estes, afinal, “ajudam” o ambiente.

 

Este interessante ponto de vista parte do pressuposto de que os congestionamentos provocam nos condutores uma frustração tal que, assim, aumenta a possibilidade destes passarem a ser utilizadores de transportes públicos. Ou andar mais a pé.
 
O artigo fala também da recente nomeação de Jay Walder para presidente e CEO da Autoridade Metropolitana de Transportes de Nova Iorque. A contratação de Walder, que já trabalhou, por exemplo, na cidade de Londres, representa bem o esforço que Nova Iorque está a dedicar a este tema – que cada vez mais é um dos pontos fulcrais da gestão de uma cidade (e que, como já aqui referi, foi colocado no topo das preocupações dos candidatos à câmara de Lisboa).

 

“Os congestionamentos de trânsito podem, na verdade, ser benéficos para o ambiente, se tornarem [outras] opções como o metro, os autocarros, o carsharing, as bicicletas e andar a pé mais atraentes”, argumenta Owen.
 
O WSJ explica ainda que o tempo gasto em filas de trânsito poderia ser aproveitado pelos cidadãos a trabalhar ou a brincar com as suas crianças. É bem verdade. Por isso temos todos (cidadãos, cidade, empresas e instituições) que trabalhar para que essas mesmas crianças não passem, no futuro, por estes “dramas” diários – ou outros ainda piores.


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds