23 de Novembro de 2009
Por José Manuel Costa

Nos dias 28 e 29 de Novembro, sábado e domingo próximos, o Banco Alimentar contra a Fome promove, em 17 regiões do País, uma recolha de alimentos. Segundo os dados do Banco Alimentar, serão 25 mil os voluntários que, em 1.633 estabelecimentos comerciais, irão participar nesta recolha – que inclui ainda uma campanha “Ajuda Vale”, de 28 de Novembro a 6 de Dezembro.

 

Acções de responsabilidade social como esta são, infelizmente, cada vez mais importantes no dia-a-dia de uma sociedade. Mas também existem, felizmente, cada vez em maior número. Sei-o, mais que não seja, porque participei em várias dezenas de acções destas, em planos estratégicos de comunicação desenvolvidos para clientes.

 

E todos, em alguma fase das nossas vidas, sentimos a importância da responsabilidade social – seja para nós, familiares, amigos, vizinhos ou conhecidos.

 

Não me canso de dizer que o último Good Purpose, relatório da Edelman UK, explica que 77% dos britânicos está disposto a mudar os seus hábitos de consumo se isso tornar o mundo melhor, 55% espera que as marcas patrocinem boas causas e 59% diz que, hoje, não basta às empresas simplesmente gastar dinheiro – elas têm que integrar boas causas no seu negócio do dia-a-dia.

 

Tenho para mim que a evolução dos resultados do Good Purpose, nos últimos anos, no caminho de uma maior importância da responsabilidade social das empresas aos olhos dos consumidores, está directamente relacionada com a crise económica, social e de confiança que assolou (e ainda assola) várias regiões mundiais – e que outro estudo da Edelman, o Trust Barometer, confirma.

 

É visível que as pessoas sentem que algo mudou no seu dia-a-dia, as certezas tornaram-se dúvidas e por isso, mais do que nunca, esperam que as empresas e marcas estejam lá para elas. Nos bons como nos maus momentos. E as marcas têm que responder, sob pena de ficarem para trás em relação aos concorrentes e perderem uma oportunidade de ouro para ficarem, para sempre, no coração dos consumidores.

 

As agências de relações públicas são mais do que meras consultoras de comunicação. Estabelecer uma estratégia de responsabilidade social, a longo prazo, para uma marca ou empresa, é um dos desafios actuais das consultoras de RP. Felizmente, nas últimas semanas, não nos faltam exemplos disso: Missão Sorriso, Tempo para Dar, Aldeia da Paz ou Fábrica dos Sonhos, para falar de alguns projectos.

 

Segundo o Banco Alimentar, no ano passado foram distribuídos um total de 17.500 toneladas de alimentos, o que equivale a uma média diária de 69,6 toneladas. Acções como esta ou como a Bolsa de Valores Sociais, assim como as que referi em cima e que foram desenvolvidas pelo Grupo GCI, contribuem para uma maior sustentabilidade da estrutura social portuguesa. E haverá maior retorno que este?
 


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds