15 de Dezembro de 2009
Por José Manuel Costa

Ontem, a Advertising Age reconheceu a Edelman como a sétima melhor agência da década – e a melhor da área de Relações Públicas. Esta é uma excelente notícia para o sector das relações públicas (e, em particular, para o Grupo GCI, afiliado da histórica agência norte-americana).


Mais do que este reconhecimento, sempre subjectivo, destaco dois dos “desenvolvimentos” desta escolha. O primeiro é a justificação da própria Adage, que reconhece a Edelman como “a agência líder e o nome mais reconhecido de toda a indústria”.

 

“Quer seja através da utilização de tácticas tradicionais de RP ou no desenvolvimento e implementação de programas de digital ou social media, a agência continua a descobrir novos territórios no mundo das comunicações e tem redefinido o papel que as agências de RP têm desempenhado no marketing mix”, explica a Adage.

 

O segundo “desenvolvimento” desta escolha veio pelo próprio blog de Richard Edelman, presidente e CEO da agência. Edelman elaborou uma lista das sete razões que, nos últimos dez anos, possibilitaram à agência chegar a esta lista super restrita de consultoras de marketing.

 

Essas razões são os valores da empresa, os seus clientes, a sua independência, cultura, liderança e propriedade intelectual e os seus colaboradores. Não são só palavras e lugares comuns atirados à ocasião, cada uma tem uma explicação exacta do que agência fez nesse campo. Pode consultá-las aqui.

 

Tenho o prazer de poder trabalhar com a Edelman e assistir, todos os dias, à materialização destas sete regras de ouro do sucesso da agência de Dan e Richard Edelman.

 

Gostaria também de realçar a última frase publicada no 6 A.M. sobre esta distinção, em que Richard Edelman explica que, mais importante do que ser número um, número três ou número seis do ranking, o que interessa, quando entramos numa nova década, é ver que “a nossa profissão subiu em termos de importância”.

 

“As pessoas das relações públicas têm que ser incluídas em todas as discussões sobre reputação corporativa e posicionamento da marca”, concluiu.

 

Quando estamos prestes a arrancar para mais uma década, as expectativas sobre o que as agências de RP devem – e podem – desenvolver para as suas marcas estão mais elevadas que nunca. É a altura certa, por isso, para estarmos à altura deste novo e vibrante desafio.

 

PS: O Green Festival 2010 já tem data: vai realizar-se de 10 a 17 de Setembro do próximo ano, no Centro de Congressos do Estoril. Depois de dois anos complexos mas bem sucedidos, a terceira edição vai consolidar o trabalho efectuado nos últimos 20 meses. O desenrolar da cobertura da Cimeira do Clima, em Copenhaga, e as conclusões que têm de lá saído são a demonstração que o Green Fest está no bom caminho. O mundo está atento – e, felizmente, também nós.


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds