21 de Maio de 2010
Por José Manuel Costa

Durante dois dias, a Associação Portuguesa dos Nutricionistas juntou os seus profissionais no Centro de Congressos de Lisboa para discutir alguns dos problemas… eu não diria do sector… eu diria do País e do mundo. Temas como a obesidade, diabetes e hipertensão, a segurança alimentar, a promoção dos bons hábitos alimentares ou (as cada vez mais em voga) refeições escolares saudáveis foram algumas das estrelas do encontro.

 

Uma das principais conclusões analisadas: um terço das crianças portuguesas estão em pré-obesidade ou obesidade, explicou o coordenador da Plataforma Nacional contra a Obesidade, Pedro Graça.

 

São dados demolidores, sobretudo porque estamos a falar de crianças entre os dois ou cinco anos. Mas há mais: 53,3% dos homens (população adulta) e 27,8% das mulheres são pré-obesos. E destes, 27,8% das mulheres e 10,3% encontra-se em obesidade do grau 1.

 

É tempo, por isso, para mudarmos esta situação. Pedro Graça apelou ao papel dos profissionais de saúde para prevenir e tratar desta questão, mas eu iria um pouco mais longe, estabelecendo um verdadeiro compromisso entre profissionais, empresas e outras organizações e a sociedade.

 

Uma boa notícia: a presença do Grupo Ibersol, no congresso, com todas as suas marcas: da Pizza Hut à Pans & Company, passando pelo Burger King ou KFC. É tempo. também, de todos pensarmos em sermos mais saudáveis.

 

Nos Estados Unidos, esta luta está a ser liderada pela próprio Primeira Dama, Michelle Obama. Aquele país está preocupado não só com as ameaças da obesidade à saúde, mas também à economia.

 

Consta que os EUA precisem de 110 mil milhões de euros por ano para tratar de doenças ligadas à obesidade. São números demasiado inacreditáveis para ignorar – sobretudo nesta fase de crise.

 

As estatísticas norte-americanas, vemos agora, poderão nem andar muito longe das portuguesas: 32% das crianças e adolescentes têm peso a mais, e quase 20% das crianças dos seis aos 11 anos e 18% dos jovens entre os 12 aos 19 anos são obesos. Mas estaremos nós, portugueses, a lutar com as mesmas armas dos norte-americanos?

 

Como sabem, o Grupo GCI lançou em Outubro último, em parceria com a APN, os Nutrition Awards. Estes novos números sobre a obesidade em Portugal – hoje, o Destak escreve que nos estamos a tornar num país de gente gorda – só lançam mais pertinência para um projecto como os Nutrition Awards.

 

O número de candidaturas foi um sucesso. Estou certo que a entrega dos prémios também e que, uma vez mais, veremos reconhecida a nossa competência de agência de PR em trazer para a ordem do dia os temas mais relevantes para a sociedade portuguesa.

 

Há ainda uma parte desta tema que está intimamente ligada às alterações climáticas, sustentabilidade e responsabilidade social, mas disso falarei mais para a frente. Até porque, mais cedo ou mais tarde, vamos ter que nos habituar a falar (mais) disto.


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds