8 de Junho de 2010
Por José Manuel Costa

Anteontem, dia de Portugal na Expo 2010, a organização confirmou um novo recorde diário de afluência atingido no dia antes, sábado – 525 mil visitantes. No total, ainda segundo a organização, 10 milhões de pessoas já visitaram a feira mundial. Em apenas um mês.

Assim, e se esta média de afluência se mantiver, Xangai terá a feira mundial mais concorrida de sempre, com 70 milhões de visitantes. E a promessa do comité organizador estará cumprida.

Segundo as contas da organização portuguesa, também o Pavilhão de Portugal está no bom caminho, contando já com 600 mil visitantes. O que não surpreende. É conhecido o fascínio oriental pela cultura portuguesa.

No dia de Portugal na Expo 2010, o Financial Times (FT) fez uma análise qualitativa do certame de Xangai, a partir da pergunta: “a Expo 2010 é já a maior de sempre: Mas terá um impacto duradouro, como algumas das suas antecessoras?”

Para o arquitecto Edwin Heathcote, crítico de design e arquitectura do Financial Times, os efeitos desta feira serão notados não apenas ao nível das infra-estruturas (uma rede de metro de classe mundial, um novo centro de congressos e uma grande área industrial desmantelada no centro da cidade) mas também diplomático.

“Vinte e dois dos 192 países representados na Expo não têm relações diplomáticas com a China. Este pode ser o primeiro passo para uma [futura] relação”, explicou ao FT o secretário geral do Comité das Expos, Vincente Loscertales.

Escreve Heathcote que desta Expo não surgirão novas inovações ou invenções – as Expos sempre foram, historicamente, feiras que marcaram uma época pelas suas novidades tecnológicas – mas a mistura entre a sua face artificial e autenticidade torna-a na descrição perfeita da cidade contemporânea.

Mas o que vai distinguir a Expo 2010? O seu lema, “Melhor Cidade, Melhor Qualidade de Vida” já não é uma miragem, “[Xangai] não é mais um mero relance da cidade do futuro mas, na sua procura implacável pelo especial, pelo espectáculo e pelas experiências de engenharia e a sua fome obsessiva pela arquitectura icónica, esta Expo é já a cidade do futuro”, conclui Loscertales.

Por isso, e na opinião de Heathcote, a Expo Xangai já terá atingido um patamar de importância mais elevado do que as outras feiras mundiais: a Expo Xangai mudou a própria cidade.

O sucesso desta feira mundial confirma que o século XXI é o século das cidades. Da arquitectura, do design e da sustentabilidade. Do artificial e do autêntico.

“O falso tornou-se autêntico porque o espectáculo tornou-se a realidade”, diz Heathcote. Confuso? Sim. Mas temos mesmo que nos preparar para esta palavra.

Podem reler os meus textos sobre Xangai neste link.


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds