16 de Julho de 2010
Por José Manuel Costa

Há duas semanas, Marcelo Rebelo de Sousa (falando da luta PT/Telefónica pela Vivo) alertava para um perigo muito válido para o triângulo económico, cultural e político Portugal/Angola/Brasil: que Portugal seja substituído, nesta equação, por Espanha.

Aliás, o tema das relações entre Portugal, Brasil e Angola - com ou sem Espanha - está na ordem do dia. Esta semana, vários jornais pegaram nele. Destaco, porém, o artigo de Maria João Gago e Alexandra Machado no Jornal de Negócios (que coloca o destaque, apropriadamente, no triângulo Europa/Brasil/África).

E cito o Negócios. “O que a diplomacia económica se esforça tanto por unir, nenhuma empresa pode garantir quando estão em causa negócios transatlânticos. As rivalidades culturais e as heranças históricas vêm sempre à tona sempre que os interesses são antagónicos”.

É verdade.

No entanto, é nesta fase que teremos que trabalhar, a médio e longo prazo, para sermos bem sucedidos. Ninguém disse que seria fácil. Eu já disse aqui, por exemplo, que Angola não é o El Dorado que alguns apregoam. Não há lá nem lucro fácil nem projectos de curto prazo.

Este tema ganha, por isso, uma especial atenção a partir de domingo, quando o presidente da República Aníbal Cavaco Silva for recebido em Luanda.

No domingo, chegará à capital angolana a maior comitiva empresarial portuguesa de sempre. Segundo a Lusa, a vertente económica será apenas mais uma entre as várias que Cavaco Silva procurará promover na primeira visita de Estado, como Presidente da República, a Angola. Política e cultura também fazem parte da equação.

Destaco, porém, o reforço na aposta da formação de quadros, tema que também estará em cima da mesa.

Voltando ao triângulo de Marcelo, creio – como já aqui disse – que Portugal não pode ver Espanha como uma inimiga, mas sim parceira. Continua a fazer sentido esta união ibérica.

E, recordando as recentes palavras de Basílio Horta, não podemos esquecer a China. Portugal tem que assumir o papel de plataforma entre a China, o Brasil e Angola.

“Cada vez mais Portugal tem que assumir este papel em relação aos países de língua portuguesa e em relação ao diálogo entre esses países e a China, especialmente entre a China, o Brasil e Angola”, explicou o presidente do AICEP.

(também por isso esta viagem é tão importante)


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds