29 de Setembro de 2010
Por José Manuel Costa

A Walmart está a oferecer 3,1 mil milhões de euros pela Massmart, a terceira maior retalhista sul-africana, com 290 lojas. A notícia não passou despercebida, nem poderia passar.

 

À parte do valor envolvido, há um enorme simbolismo neste negócio anunciado. Em primeiro lugar, trata-se do maior investimento da gigante norte-americana desde que comprou a britânica Asda, em 1999. Depois, é um investimento brutal para o mercado africano – a Massmart está presente em 13 outros países subsarianos.

 

“A África do Sul representa uma dinâmica de mercado atractiva, tendências demográficas favoráveis e uma economia em crescimento”, justificou Andy Boyd, vice-presidente da Walmart, sobre o negócio.

 

Como também já por aqui adiantei, a mais importante vitória de um magnífico Mundial 2010 não foi a espanhola. Foi a sul-africana e a de África, que deu um sinal de excelência ao resto do mundo.

 

Importa agora exportar o sonho de um mês para o resto da década – e é isso que está a acontecer. É importante continuar com os investimentos económicos e logísticos, mas também aumentar os investimentos sociais – isso nunca se pode esquecer. É o eixo mais importante da estratégia.

 

Se não houvesse uma África do Sul estável não teríamos investimento da Walmart. O Mundial foi um atestado de competência para todo um continente, e outros investimentos desta magnitude chegarão à África do Sul e a outros países africanos no curto prazo.

 

Finalmente, para a Walmart o objectivo é fortalecer as vendas internacionais, que ainda só representam ¼ das vendas totais. Se o mercado chinês e latino-americano não conseguiu este objectivo, pode ser que a solução esteja em África.

 

PS: Outra das notícias da semana: a chinesa Bright Food quer comprar a United Biscuits. A oferta inicial foi de 2,3 mil milhões de euros e insere-se na estratégia da Bright Food, principal empresa alimentar e lacticínios de Xangai, de se tornar também na líder da indústria alimentar no mercado chinês.

 

Para além da empresa chinesa, também a Campbell Soup e Nestlé estarão interessadas na United Biscuits. Mas estarão suficientemente interessadas para cobrirem a oferta chinesa? Outro negócio a acompanhar.

 


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds