12 de Outubro de 2010
Por José Manuel Costa

José Ramos Horta dizia na sexta-feira, em entrevista ao Diário Económico, que Portugal poderia usar Timor como trampolim económico para a Ásia.

 

“Uma empresa portuguesa que se instale em Timor Leste pode muito rapidamente invadir o mercado australiano, indonésio, Singapura, Japão, Coreia do Sul, China. Encurta-se a distância”, explicou Ramos Horta.

 

Há alguns meses, também Basílio Horta, presidente da AICEP, explicava que Portugal tinha de assumir o papel de plataforma entre a China, o Brasil e Angola – atraindo mais investimento chinês.

 

Basílio Horta, Ramos Horta – e outros – convergem numa ideia: servir de ponte, de rede entre mercados estratégicos globais é o nosso desígnio para as próximas décadas.

 

Quando escrevo “nosso”, refiro-me às empresas portuguesas. Temos, até ver, a vantagem cultural. Mas como tão bem sabemos, estas vantagens aparecem e desaparecem de um momento para o outro, por isso é crítico que aproveitemos as nossas oportunidades.

 

Na verdade, a questão não é tão simples nem tão linear. Veja-se o caso angolano, durante anos tido como El-Dorado para as empresas portuguesas, que lá procuraram o lucro fácil e de curto prazo.

 

Mas, também é verdade, em Angola respira-se prosperidade. O País tem todas as condições para ser tornar, a médio prazo, num player económico mundial.

 

Pôde começar do zero, e isso significa sem vícios das sociedades e economias ocidentais. Pode agora construir cidades sustentáveis, por exemplo, investir em competências ligadas às renováveis, dirigir a sua economia para aproveitar as oportunidades certas, mobilizar a sociedade civil para estes temas. E quem diz sustentabilidade diz outros não menos relevantes.

 

Há um mês, durante o Green Festival, Jaime Lerner falava com entusiasmo de Luanda, apesar de apenas lá ter desenvolvido um projecto muito pontual, respondendo a um problema muito específico de planeamento urbano. E demonstrou vontade em lá regressar.

 

Os números também ajudam. Na semana passada, o FMI avançou que o crescimento económico angolano deverá ser de 5,9% em 2010 e superior a 7,1% em 2011. Assim, Angola deverá retomar o ritmo de expansão económica de 2008, antes da crise internacional. Isto quando a actividade económica global continua a abrandar, adiantou ontem a OCDE.

 

Todos estes dados só podem significar uma coisa: o mercado angolano integra um dos mais importantes desígnios estratégicos para as empresas portuguesas dos últimos anos, o chamado triângulo Portugal/Angola/Brasil. A este podemos ainda juntar a Espanha, o mercado asiático e outros PALOP. Porque não, se dispomos de vasos comunicantes e redes de contactos e experiências com todos?

 

Só aprofundando a cooperação entre todos conseguiremos parcerias verdadeiramente win-win. Como dizia há meses o Jornal de Negócios (sobre as relações Portugal/Brasil/África), “o que a diplomacia económica se esforça tanto por unir, nenhuma empresa pode garantir quando estão em causa negócios transatlânticos. As rivalidades culturais e as heranças históricas vêm sempre à tona sempre que os interesses são antagónicos”.

É aqui que a GCI – nas suas diversas declinações, nos vários países em que estamos presentes, sozinhos ou com a nossa rede internacional Edelman – pode trabalhar, a médio e longo prazo.

 

Porque é de médio e, sobretudo, longo prazo que estamos a falar. E que ninguém se convença do contrário.

 

Hoje apresentamos o site da Uanda (lançar a rede, em kimbundo). A rede, essa já foi lançada no início do ano, agora reforçada com a respectiva plataforma online.

 

Visite-nos.


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds