24 de Setembro de 2008
Por José Manuel Costa

O novo paradigma!

  
Falo do novo paradigma da relação do homem com o consumismo.
 
É tempo de assumir uma transformação de base na relação entre as marcas e os consumidores.
 
O consumidor criou defesas e está cada vez mais imune ao bombardeamento publicitário. Face a esta nova realidade, o desafio passa pela incorporação de políticas de responsabilidade social e de sustentabilidade ambiental.
 
A aposta das empresas e das marcas deverá passar por incorporar o Relationship Marketing, o Experimental Marketing ou o Engagement Marketing (tema em debate no 1ª Congresso da APAN, dia 8 de Outubro), e o estabelecimento / fortalecimento de laços de proximidade com o cliente. Intensificar e amplificar a relação afectiva como pedra basilar na relação entre a marca e o consumidor.
 
Três excelentes livros para base de discussão sobre o tema:
 
Buying In: The Secret Dialogue Between What We Buy and Who We Are”, Rob Walker
 
 
Se hoje os consumidores são mais cuidadosos nas escolhas que fazem, isso não se deve apenas ao facto de se terem tornado imunes à constante interpelação das marcas. O consumidor moderno expressa a sua individualidade nas marcas que consome.
 
Deixou de comprar de forma aleatória, seguindo os poderosos inputs do Marketing, para passar a projectar a sua própria identidade no que consome. A expressão que Walker inventa para definir o fenómeno é: Murketing (murky = obscuro).
 
Does Ethics Have a Chance in a World of Consumers?”, Zygmunt Bauman
 
 
O Sociólogo Polaco repudia o mundo moderno do consumismo capitalista, dando uma visão quase apocalíptica das consequências futuras da actual conjuntura das sociedades. Segundo Bauman: “consumer is the enemy of the citizen”.
 
Na sociedade moderna promove-se o acto da compra como se dele decorresse a felicidade. Felicidade efémera, facilmente descartável na busca do seguinte objecto portador de felicidade. Tudo hoje é dispensável. A facilidade com que nos livramos de objectos gastos é paralela à facilidade em protegermo-nos dos outros, dos estrangeiros, dos imigrantes, cuja humanidade não reconhecemos.
 
The Comfort of Things”, Daniel Miller
 
 
Para o Antropólogo Britânico a posse de objectos não é necessariamente má, é através destes objectos que nos sentimos próximos das pessoas de quem gostamos.
 
As relações sociais são criadas através dos objectos, mostramos afecto por outros e desligamo-nos deles através das relações que temos com objectos que nos lembram e que nos ligam a essas pessoas.

| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds