21 de Dezembro de 2011
Por José Manuel Costa

O ministro brasileiro do Desporto, Aldo Rebelo, concedeu ontem uma entrevista muito interessante ao Menos Um Carro. Uma entrevista que, como se espera de um movimento como o Menos Um Carro, teve como principal tema a mobilidade, agora que estamos a dois anos e meio do início da Mundial 2014, a copa brasileira.

 

Não é um tema fácil e o Governo brasileiro tem encontrado alguns obstáculos para conciliar os interesses do Mundial (leia-se FIFA) – garantir o acesso rápido dos cidadãos aos estádios e melhorar as acessibilidades, a tempo e horas – com os das cidades onde se realizarão os jogos. Tudo isto, claro, com o esperado rigor financeiro – serão investidos 5,5 mil milhões de euros em 49 obras.

 

Aldo Rebelo diz que as obras de mobilidade urbana estarão concluídas antes do prazo previsto e que a grande preocupação dos governantes é assegurar que estas obras fiquem, como legado do evento, para as próximas gerações de brasileiros. O objectivo? Reduzir o número de veículos em circulação e modernizar as redes de transportes públicos. E com uma estratégia de longo prazo e pós-Mundial 2014, acrescento eu.

 

Ao contrário de outras recentes organizações – de campeonatos de futebol ou Jogos Olímpicos – o Governo brasileiro delegou nas cidades e Estados a definição do melhor projecto de mobilidade. Tudo claro, sob o olhar atento do Planalto.

 

Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Cuiabá já iniciaram 21 das 49 obras de mobilidade. As restantes “estão a ser licitadas e começam em breve”. O ministério do Desporto, aliás, esteve envolvido no desenvolvimento dos projectos de mobilidade.

 

“O Mundial 2014 é um dos maiores eventos mundiais. Mobiliza milhões de pessoas. Envolve um número enorme de empresas. Por isso, é uma oportunidade de modernização dos sistemas viários de transportes”, explicou Aldo Rebelo.

 

Há uns tempos escrevi por aqui que os grandes eventos tinham o condão de mudar as cidades, levá-las para o campo da sustentabilidade, impulsionar o desenvolvimento e planeamento urbano ou redesenhar, entre outras, as estratégias de mobilidade sustentável.

 

Neste aspecto, o Mundial 2010, há que admitir, foi uma decepção. O Brasil não pode cometer os mesmos erros. Acredito que não os fará.


| ... e mais assim! | partilhar

Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Confiança – um longo cami...

Os projectos que derrotam...

Nutrition Awards: renovaç...

GPA Brasil: nova edição a...

Portugal, Brasil e as par...

Integração

Expansão lusófona

Economia Verde: o novo pr...

Cooperação brasileira

Dan Edelman (1920-2013)

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds