26 de Junho de 2009
Por José Manuel Costa

Anupam Prakash, Head of Hewitt Associates

 

Portugal tem uma “grande oportunidade” para assumir-se como uma marca internacionalmente reconhecida na área da energia sustentável. Quem o diz é Anupam Prakash, Head of Hewitt Associates, que esteve presente na conferência de Quarta-feira para falar sobre as potencialidades de Portugal na “green energy”.
 
À semelhança de outros países que foram conseguindo criar “marcas” específicas que lhes permitiram obter notoriedade em todo o mundo, também Portugal tem neste momento todas as condições para criar uma “brand” associada à energia sustentável
 
Efectivamente, Portugal já surge na liderança dos principais rankings internacionais como um dos países de vanguarda ao nível das renováveis, e já ultrapassou o mero conceito experimental no que toca à utilização de renováveis, nomeadamente no que diz respeito às energias eólica, hídrica e solar.
 
Prakash constata que o paradigma das renováveis é já uma realidade em Portugal, representando um mercado crescente. Por isso, é agora necessário uma estratégia de marketing e de comunicação que possa construir uma “brand” que transforme Portugal numa referência mundial em termos de “green energy”.
 
Uma imagem que, na opinião de Jack Soifer, deverá passar pela aposta no turismo ambiental e sustentável. E é nesta altura de crise que Portugal deverá investir numa cultura de nichos de mercado, tendo todas as condições para proporcionar uma oferta turística em consonância com os novos paradigmas da sustentabilidade.
 
Só assim, avisa Stoifer, Portugal poderá aumentar a qualidade e a quantidade do turismo e de turistas no país, já que entre 2000 e 2008 o número de visitantes estrangeiros estagnou nos 12 milhões por ano. É por isso que aquele consultor alerta para o facto do “futuro do turismo em Portugal” não poder continuar a ter o mesmo modelo de desenvolvimento que tem tido até agora.

 


| ... e mais assim! | partilhar

24 de Junho de 2009
Por José Manuel Costa

 

“Homem vs Homem: Os desafios da sustentabilidade”, foi este o tema da quarta conferência realizada no âmbito do 15º Aniversário da GCI, e que decorreu hoje na Fundação EDP, no Museu da Electricidade, em Lisboa.

 
O painel, moderado por Luís Rochartre, secretário-geral do BCSD, não podia ter sido mais ecléctico, visto representar diferentes perspectivas sobre a problemática da sustentabilidade.
 
Anupam Prakash (Head of Hewitt Associates), Jack Stoifer (autor e consultor em turismo sustentável), Jorge Portugal (consultor), Stephen Adler (CEO Charity Brand) e José Perdigoto (Director Geral de Energia e Geologia) deram contributos muito interessantes sobre a relação de Portugal e da sociedade com o conceito de sustentabilidade.
 
José Perdigoto começou por fazer um enquadramento conceptual do conceito de sustentabilidade, sublinhando tratar-se de um compromisso intergeracional, uma ideia também partilhada por Jorge Portugal aquando da sua apresentação. Este referiu ainda que a “sustentabilidade é uma questão de cidadania”. 
 
Voltando à intervenção de José Perdigoto, ficou claro que o conceito de sustentabilidade vai muito além do vector ambiental, integrando cada vez mais as componentes económica e social.
 
Citando um relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), José Perdigoto sublinhou que na “Europa estão a ser feitas coisas, mas é necessário acelerar”. Apelou ainda à urgência de serem criados novos modelos que reforcem a eficiência energética e potenciem a utilização de renováveis.

 


| ... e mais assim! | partilhar

5 de Junho de 2009
Por José Manuel Costa

Embora possa ser suspeito, tenho a certeza que os quase 130 convidados que assistiram à apresentação de David Brain, presidente da Edelman Europa, na passada Quarta-feira, puderam retirar importantes ensinamentos sobre o papel das PR nas estratégias das empresas e das organizações no mundo actual.

 
Brain dirigiu-se aos vários públicos presentes, entre gestores, empresários consultores de comunicação e jornalistas, tendo tido a preocupação de explicar a evolução das PR nos últimos anos, assim como a alteração de paradigmas, o que nem sempre é compreendido e assimilado pelos vários intervenientes do mercado.
 
Brain esteve em Lisboa no âmbito do 15º Aniversário do Grupo GCI e, como tal, gostaria de relembrar aqui algumas das suas principais mensagens: 
  1. As regras do novo paradigma das PR? Não há regras; Pragmatismo e Ambiguidade; Flexibilidade organizacional; Escrutínio e erro.
  2. Os próximos anos na área das PR é uma "land of opportunities"
  3. Neste novo paradigma das PR, por vezes as grandes soluções estão na simplicidade e nas pessoas.
  4. Os profissionais das PR têm a missão de interpretar o novo paradigma e pô-lo ao serviço das empresas e organizações
  5. O novo paradigma das PR potencia novas estratégias de comunicação e oportunidades de negócio.
  6. As PR terão que assimilar o paradigma da esfera da informação cruzada, porque só assim estarão à altura dos desafios comunicacionais.
  7. O paradigma da pirâmide (anos 80 e 90) evoluiu para o paradigma da esfera de informação cruzada
  8. Para as empresas que conseguirem tirar partido da social media, poderão criar canais de comunicação directos com os consumidores.
  9. A social media pode potenciar a crítica ou a defesa das próprias empresas e organizações por parte de todos os cidadãos.
  10. Isolar e esconder informação é algo que pertence ao passado.
  11. Este é talvez um melhor período para se trabalhar nas PR, desde que os seus profissionais conheçam os novos paradigmas.
  12. Hoje, cada pessoa tem a capacidade para gerar um enorme fluxo de informação contra uma empresa ou organização.
  13. Em 1994, quando alguém queria fazer uma crítica as empresas, os PR só tinham que se preocupar com uma possível carta.
  14. A social media deu mais poder ao consumidor, mas por vezes as empresas não estão preparadas para lidar com esse facto.
  15. As infinitas capacidades de busca na Internet, dão respostas como nunca dantes visto.
  16. Qualquer empresa, seja de que ramo for, pode tornar-se uma empresa de comunicação.
  17. Brain vê a social media com um grande potencial de crescimento.
  18. A informação dispersa-se por meios como o Twitter, Facebook, Youtube, Wikipedia, entre outros.
  19. Há tempos uma novidade, a social media é actualmente "mainstream".
  20. "Search is king", lê-se num dos slides de Brain, referindo-se ao Google.
  21. O e-mail está a tornar-se uma ferramente mais obsoleta em termos de comunicação.
  22. "A informação em 2009 é dispersa".
  23. Nos dias de hoje, toda a gente sabe tudo de toda a gente.
  24. O "controlo da mensagem" é um conceito associado aos anos 80 e 90.
  25.  As primeiras gerações do digital estão a chegar, porque foram aquelas que nasceram nos anos 90.  
  26.  


| ... e mais assim! | partilhar

29 de Maio de 2009
Por José Manuel Costa

 

No mundo das Public Relations há figuras incontornáveis. David Brain, Presidente da Edelman para Europa, África e Médio Oriente, é uma delas e estará em Lisboa no próxima dia 3 no âmbito do 15º aniversário do Grupo GCI.

 

Brain irá participar num almoço conferência para falar sobre “O novo paradigma das PR”. Um encontro intimista com clientes, parceiros e colaboradores da GCI, no qual serão abordadas novas temáticas das Public Relations.

 
Será certamente um momento muito interessante para ouvir e conviver com o David Brain que, entre outras coisas, falará sobre a sua vasta experiência e conhecimento na área das Public Relations.
 
Além de ser autor do SixtySecondView, um dos blogues de PR mais conhecidos internacionalmente, Brain é uma das pessoas mais inovadoras e visionárias desta área.
 
Brain vê as public relations de uma forma integrada e adjacente a tudo o que o rodeia na vida quotidiana. Da política à economia, da sociedade à tecnologia, da cultura à ciência, Brain imprime uma versatilidade e amplitude às PR, tornando-as muito mais dinâmicas e adequadas às novas exigências das sociedades pós-modernas.
 

| ... e mais assim! | partilhar

22 de Maio de 2009
Por José Manuel Costa

Admito que tinha expectativas bastante altas para o segundo debate do ciclo “15 Anos: Rewind & Forward”, realizado na passada Quarta-feira no Café Concerto do Cinema São Jorge. Tal estado de espírito devia-se sobretudo a três razões:

 
1. O sucesso do primeiro debate dedicado à “Era da Informação”, realizado no passado dia 6 de Maio, fazia antever mais um encontro de grande qualidade na discussão de ideias.
 
2. O tema deste último debate, “Social Egangement: Emoção & Tecnologia”, é bastante actual e, confesso, muito do meu agrado.
 
3. A qualidade do painel de oradores, que a partir da sua diversidade deram um tom bastante eclético à sessão.
 
Efectivamente, todos estes ingredientes proporcionaram um debate muito interessante, no qual Diogo Vasconcelos (presidente da APDC e Distinguished Fellow da Cisco), Tiago Forjaz (Partner da Jason Associates e fundador do Star Tracker), Mafalda Moniz (Directora do Centro Social do Bairro 6 de Maio), Ana Cláudia Valente (Investigadora em Ciências Sociais), Hans-Erhard Reiter (Presidente Executivo da Ericsson Portugal), e Raul De Orofino (Actor, Autor, Encenador e Formador) participaram de forma muito dinâmica.
 
E porque o tema era precisamente a relação entre o virtual e o real, entre a emoção e a tecnologia, Mafalda Moniz, o Hans-Erhard Reiter e a Ana Cláudia Valente trouxeram ao público as suas experiências “reais”.
 
O trabalho que a Mafalda Moniz faz no Bairro 6 de Maio ou aquele que Hans-Erhard Reitar desempenha na Ericsson são realidades diferentes do mesmo mundo, como este último, aliás, acabou por reconhecer. Já Ana Cláudia Valente deu uma perspectiva mais global da realidade do ensino em Portugal.
 
Tiago Forjaz, que fez a apresentação mais emocionada da manhã, falou da sua experiência enquanto gestor de talento. Os projectos como o Star Tracking ou o Star Tracker são exemplos de redes sociais que visam enaltecer o talento nacional por todo o mundo.
 
E porque não é só de tecnologia que a sociedade vive, Raul De Orofino salientou a importância da componente humana e do humor no seio das organizações, sejam elas empresas, associações ou redes sociais.
 
Tecnologia essa que na opinião de Diogo Vasconcelos poderá ser utilizada no bem estar das sociedades. Por isso, o presidente da APDC apresentou vários projectos nos quais a componente tecnológica está a ser trabalhada de forma específica e integrada para solucionar problemas concretos das populações.
 
Por último, não poderia deixar de referir o dinamismo que o Carlos Liz, da APEME, imprimiu na moderação do debate, com observações sempre pertinentes e várias interpelações acutilantes aos oradores.
 

| ... e mais assim! | partilhar

14 de Maio de 2009
Por José Manuel Costa

Como já tinha referido no post anterior, o segundo debate do ciclo "15 Anos: Rewind and Forward”, no âmbito do 15º aniversário do Grupo GCI, realizar-se-á na próxima Quarta-feira sob o tema “Social Engagement: Emoção & Tecnologia”.
 
À semelhança do que aconteceu no primeiro debate, este segundo encontro reunirá pessoas de vários quadrantes profissionais, que poderão contribuir com o seu conhecimento e experiências para uma conversa animada e enriquecedora sobre o que evoluiu nos últimos quinze anos ao nível das novas tecnologias.
 
No Café Concerto do Cinema São Jorge irão estar os oradores Mafalda Moniz, Directora do Centro Social do Bairro 6 de Maio, Ana Cláudia Valente, Investigadora em Ciências Sociais, Hans-Erhard Reiter, Presidente Executivo da Ericsson Portugal, Diogo Vasconcelos, Presidente da APDC e Distinguished Fellow da Cisco, Tiago Forjaz, Partner Jason Associates, e Raul De Orofino, Actor, Autor, Encenador e Formador. O debate será moderado por Carlos Liz da APEME.
 
Gostava de lembrar que em 1994 o Mundo começava a separar-se em dois. O Real e o Virtual começaram então a percorrer caminhos distintos, edificando diferentes realidades mas de um universo comum. A tecnologia e o ritmo avassalador do seu progresso ditaram esta cisão e vieram lançar dúvidas, refundar ideias, instituições e processos.
 
Hoje, volvidos 15 anos, nas sociedades desenvolvidas é quase impossível para qualquer pessoa estar desligada do mundo virtual, mesmo que essa ligação seja feita de uma forma ténue.
 
Outros casos há em que o binómio emoção e tecnologia enriquece-se a cada segundo, com o virtual a transformar-se no mundo real para milhares de pessoas. Vivemos em rede, movemo-nos em redes e somos alimentados por tecnologia e emoção.

 


| ... e mais assim! | partilhar

13 de Maio de 2009
Por José Manuel Costa

No âmbito do 15º Aniversário do Grupo GCI  realizar-se-á no próximo dia 20 o segundo debate do ciclo “15 Anos: Rewind and Forward”, que reunirá oradores de grande qualidade para falar sobre “Social Engagement: Emoção & Tecnologia”.

 
Mas voltarei a este tema num próximo post, porque antes gostaria de destacar as principais conclusões do primeiro debate, realizado no passado dia 6, sob o tema “A Era da Informação”, e que teve como objectivo analisar os últimos 15 anos da comunicação em Portugal e antecipar as tendências e os modelos para a próxima década e meia.
 
Na mesa de oradores no Café Concerto do São Jorge estiveram Edson Athayde (publicitário), Pedro Bidarra (vice-presidente BBDO), Pedro Casquinha (Chief Marketing Officer ANF), Rita Torres Baptista (Directora de Marketing de Comunicação BES), e Kika Samblás (Managing Director Grupo de Consultores).
 
O filme do debate pode ser visto aqui, sendo que em baixo deixo o resumo das principais ideias:
 
- Pedro Bidarra foi talvez o mais crítico e polémico nas suas intervenções, referindo que os meios ignoram a fragmentação da comunicação em Portugal. Para o vice-presidente da BBDO é incompreensível que os anunciantes continuem a canalizar os seus investimentos para os três canais generalistas, ignorando por completo a nova realidade dos públicos e dos meios por cabo. Ou seja, os anunciantes estão a tomar decisões com base em dados errados.
 
- Pedro Bidarra fez duras críticas à Marketest, por considerar que os seu estudos são “mal feitos”.
 
- Pedro Casquinha considerou que os modelos de segmentação existentes estão desajustados.
 
- Rita Torres Baptista admitiu haver alguns desajustamentos na medição de audiências, mas, rejeitou a ideia que os anunciantes estejam apenas focados nos três canais generalistas.
 
- Ainda quanto ao problema da fragmentação, Rita Torres Baptista sublinhou que os novos meios não vieram substituir os mais tradicionais, como a televisão ou o jornal. Todos se devem complementar.
 
- Edson Athayde considera que os meios devem servir de suporte a uma “boa história”. Porque, quando se fala de comunicação tudo se resume a contar “uma boa história”. Mas para que isso resulte, os formatos têm que estar integrados.
 
- Athayde deu o exemplo de Susan Boyle como uma das histórias mais bem inventadas do ano, alimentada por reacções e veiculada através de vários meios, como o YouTube.
 
- Athayde lançou o alerta para a possibilidade das marcas e das instituições usarem indevidamente os meios de comunicação para inventarem histórias na defesa dos seus interesses.
  
- Perspectivando os próximos 15 anos, Kika Samblás refere que em 2024 as marcas já não vão "mandar" nos consumidores, apenas vão poder influenciar os seus comportamentos. Kika Samblás disse ainda que dentro de 15 anos não vão haver agências, vão haver "criadores de ideias". 

 


| ... e mais assim! | partilhar

4 de Maio de 2009
Por José Manuel Costa

 

É com bastante prazer, mas também com muito orgulho, que vejo o Grupo GCI a comemorar o seu 15ºAniversário, através de várias iniciativas que se irão prolongar ao longo de um ano.
 
É uma idade importante, que revela maturidade de um projecto que fundei e que deste então cresceu e evoluiu, para se tornar na primeira “PR Agency” em Portugal. Por isso, digo hoje com toda a confiança que a GCI é uma empresa única pelas suas características e uma referência para os vários stakeholders do mercado.
 
Para tal, têm contribuído os seus quadros de enorme valor, que diariamente têm colocado as suas ideias e profissionalismo ao serviço da excelência e da inovação. Não poderia também deixar de referir a parceria com a Edelman, que veio introduzir uma perspectiva mais global e sofisticada das “PR” no âmbito do nosso Grupo.
 
Mas, quanto ao percurso da GCI vou, para já, ficar-me por aqui, sendo que voltarei a falar sobre o mesmo mais tarde.
 
Neste momento, gostaria de dizer que é já a partir desta Quarta-feira que se realiza o primeiro de quatro debates que pretendem assinalar o 15º Aniversário do Grupo GCI.
 
Sob o tema “15 Anos - Rewind and Forward”, o objectivo destes encontros será analisar a evolução da comunicação em Portugal em todas as suas vertentes. Pretendemos também antecipar de como serão os próximos 15 anos e o que mudará no futuro na área das “PR”.
 
Para isso, teremos que analisar a comunicação de forma integrada e sob diferentes perspectivas. Assim, vamos ter quatro temas centrais: Comunicação, Social Engagement, Media e Sustentabilidade.
 
Entretanto, ao longo das próximas semanas surgirão aqui neste espaço vários textos sobre o 15º Aniversário da GCI e as iniciativas em curso.
 

| ... e mais assim! | partilhar


Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Algumas ideias sobre os d...

Algumas ideias sobre os d...

As 25 ideias de David Bra...

David Brain vem a Lisboa ...

A importância da tecnolog...

"Social Engagement" em de...

As principais ideias do d...

GCI faz 15 anos e afirma-...

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds