19 de Novembro de 2008
Por José Manuel Costa

Numa semana em que os indicadores económicos deixam antever alguma agitação. Quero salientar e reforçar os indicadores de um Portugal mais moderno e que está numa “corrida sem fim”, no dizer do Ministro da Economia. 

 

 

Segundo este governante, em Portugal já se triplicou o acesso à banda larga, 100% das escolas estão ligadas à Internet, 516 mil portugueses estão a frequentar o Programa Novas Oportunidades e 50% das casas já têm Internet.

 

 

Esta é uma agenda ambiciosa e irá dar continuidade à aposta na inovação e na tecnologia.
 


| ... e mais assim! | partilhar

18 de Novembro de 2008
Por José Manuel Costa

Sempre que em Portugal se pensa em grande obra pública – tipo obra de arte (ponte), tipo construção de uma nova linha de comboio ou nova auto-estrada, tipo um grande hospital que combine várias valências, ou outro investimento de vulto – uma franja da população insurge-se contra o projecto.

 

 

Chega a insurgir-se mesmo quando ainda não sabe quais os reais objectivos.

 

 

Está a ser assim com algumas das grandes obras públicas que estão no calendário governativo. Seria assim mesmo que uma parte do mundo não estivesse em crise.

 

 

Do meu ponto de vista, o País necessita da alta velocidade e uma nova obra de arte em Lisboa – entre ela em túnel ou em altura – poderá ser a solução para muitas questões ligadas ao tráfego ou mesmo ao ambiente.

 

 

Mas, não é de polémicas que quero falar. Antes quero felicitar as empresas que se dedicam à Inovação e que a partir de hoje se mostram na FIL.

 

 

Numa mostra daquilo que de melhor se faz no País ao nível da Inovação, este certame tem no mesmo espaço empresas ou entidades que têm para além dos seus objectivos estratégicos o objectivo de levar o nome de Portugal além fronteiras.

 

 

Uma aposta que está a sair vencedora, e que já começa a ter frutos. Ou seja, à cortiça, ao vinho e a outros bens, Portugal junta à exportação de cérebros, a exportação de projectos inovadores criados por portugueses, que assim contribuem para que o País envie para o exterior mais bens e serviços tecnológicos do que aqueles que recebe.
 


| ... e mais assim! | partilhar

Por José Manuel Costa

O título deste post poderá parecer um pouco mercantil. Não é essa a intenção! É sim a forma que encontro para definir o resultado de um estudo efectuado pela Comissão Europeia. Diz o estudo que os jovens portugueses são os europeus mais interessados em notícias relacionadas à Ciência e Tecnologia e os menos interessados em seguir notícias sobre Política. 

 

Com estes dados, e tendo em conta a amostra de entrevistados com idades entre 15 e 25 anos, creio que Portugal poderá ter razões para sorrir. A tendência para outras áreas que não a das Ciências poderá estar a chegar ao fim. Será que vamos mesmo conseguir posicionar Portugal como grande exportador de cérebros?

 

Claro!
 


| ... e mais assim! | partilhar

9 de Setembro de 2008
Por José Manuel Costa

O propósito disto, o que é que foi feito à data de hoje por quem cuida da imagem, da comunicação de Portugal?

 

O País deve e tem de estar informado sobre o tema!
Categorias: , ,

| ... e mais assim! | partilhar

Por José Manuel Costa

O Financial Times publicou na coluna LEX – uma das mais lidas do jornal – o texto "Pigs in Muck". Sob este título o jornal fez o balanço das economias portuguesa, italiana, grega e espanhola e a análise reflecte a realidade económica destes países. Nada que surpreenda quem habitualmente lê este jornal inglês.

 
Mas feriu o artigo! Feriu quando apelidou estes países de "Pigs" (porcos). Mais. Quando ao justificar o termo escreveu "Take Portugal, Italy, Greece and Spain, sometimes described as the Pigs. It is a pejorative moniker but one with much truth".
 
Naquilo que considero um verdadeiro abuso de imprensa e de total falta de ética editorial não posso, enquanto cidadão, enquanto líder de uma empresa portuguesa, enquanto membro do The European Association of Communication Directors deixar de concordar com Salvador da Cunha. Defende o presidente da APECOM que "é motivo para provocar um incidente diplomático e pedir ao Governo inglês que publicamente se demarque desta situação e critique o Financial Times".
Afinal, o termo utilizado ultrapassa o tradicional humor inglês. Ultrapassa o tradicional jogo de palavras. É um termo depreciativo. Atenta à dignidade dos cidadãos, de quem "dá a cara" pelos respectivos países – sejam políticos, empresários ou emigrantes.
Categorias: , ,

| ... e mais assim! | partilhar


Perfil
Pesquisa
 
Artigos recentes

Mobilizar ideias

Os críticos e os cérebros...

Portugal: um exportador d...

Sabemos do que falamos…

Assim se perde credibilid...

Ligações
Arquivo

Janeiro 2015

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Categorias

todas as tags

Subscrever feeds