Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

José Manuel Costa

José Manuel Costa

Responder à mudança

08.10.10, José Manuel Costa

“Idealmente, e sendo que 80% da nossa vida é passada a trabalhar, devemos começar um negócio [numa área] pela qual sejamos apaixonados. Um negócio tem que ser envolvente, divertido e tem que exercitar os nossos instintos criativos.”

 

Richard Branson, que por acaso disse estas palavras, é que sabe. Por vezes, acho que este é um dos grandes problemas das empresas e dos empresários.

 

E daqueles de quem se espera inovação.

 

Ontem, no encontro da COTEC Europa, na Casa da Música, Porto, o Presidente da República Aníbal Cavaco Silva pôs o dedo na ferida: existe uma incapacidade da Europa em transformar o investimento na investigação tecnológica em vantagem competitiva. Mas é isso, como bem diz o presidente português, que marca as empresas, a sua capacidade criativa e inventiva.

 

Disse ainda Cavaco Silva – e muito bem – que os efeitos da “aceleração e integração económica mundial” ainda não estão a ser interiorizados no comportamento de muitas empresas e no discurso dos seus líderes.

 

Do encontro de ontem fiquei com outra citação, desta vez de Charles Darwin - também retirada da apresentação de Richard Bendis, CEO da Innovation America e orador convidado do VI Encontro COTEC Europa.

 

“Não é a espécie mais forte que sobrevive, nem mesmo a mais inteligente, mas a que melhor consegue responder à mudança”.

 

A citação é secular, mas continua muito actual, mesmo tendo em conta todos os significados, épocas, condicionalismos e especificidades que esta atravessou.

 

Responder à mudança continua a ser difícil e, dia após dia, assistimos a vários exemplos disso.