Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

José Manuel Costa

José Manuel Costa

Bicicletas

23.09.08, José Manuel Costa

Uma nova “velocidade” para a cidade de Lisboa

 
Amanhã será discutida na Câmara de Lisboa a introdução, em 2009, das ciclovias, incentivo e sensibilização no uso das bicicletas. Um projecto que seguramente contribuirá para a sustentabilidade e mobilidade na cidade das sete colinas.
 
Acompanharemos assim cidades europeias como Paris, Lyon, Barcelona e Sevilha.
 
Actualmente, em Paris, as ciclovias totalizam 371 km, sendo este sistema utilizado especialmente para pequenas viagens, complementando os transportes públicos, ou até mesmo como alternativa ao uso dos carros.
 
A distância entre cada estação é de 300 m – 4 vezes mais frequentes do que as estações de metro – localizadas perto de centros de interesse: lojas, áreas residenciais e de escritórios e, cumprindo as restrições impostas pelo corpo de arquitectos franceses, perto de monumentos históricos.
 
 
 
Integração urbana das estações
 
O mobiliário das estações foi escolhido após consulta junto da Commission du Mobilier Urbain. As dimensões do mobiliário mereceram especial atenção, de modo a integrarem a paisagem urbana de Paris, a sua estética, e cumprindo as guidelines sobre acessibilidade de espaços públicos.
 
As estações Vélib foram alvo de estudo por parte da APUR (Atelier Parisien d’Urbanisme) e a sua localização aprovada pelo Dep. de Arquitectura da Câmara, evitando-se a sua colocação perto de monumentos históricos.
 
Medidas para fomentar a utilização de bicicletas:
 
  • O nº de “ciclistas” tem vindo a crescer tendo aumentado 48% entre 2001 e 2006. Estes resultados foram atingidos pela criação de novas ciclo vias e percursos, assim como zonas 30 km/h (green quarters);
  • A Câmara Municipal de Paris também criou uma comissão especial  composta pelas várias associações e organismos interessados (polícia municipal, autoridades de transportes locais, etc), que se dedicam a esta temática;
  •  “Paris respira”, participação no “Dia das Bicicletas”, ou o fornecimento gratuito de bicicletas durante o festival de arte contemporânea Nuit Blanche, são alguns exemplos de iniciativas que têm sido promovidas.
 
Características do sistema:
 
  • Bicicletas seguras e fáceis de utilizar feitas com componentes de elevada qualidade, mas resistentes – já que são utilizadas entre 10 a 15 vezes dia (pesam 22 kg, enquanto uma bicicleta “normal” seria 18 kg);
  • Controlo das bicicletas é feito por veículos também ecológicos; a água utilizada na sua manutenção é água das chuvas, desmineralizada, não utilizando por isso detergentes também agressivos ao ambiente;
  • 99% das bicicletas são recicláveis.
Velib em números:
 
  • 1980 mil pessoas com passe anual;
  • 3.5 milhões de pessoas já utilizaram as bicicletas;
  • JCDecaux investiu 80 milhões de euros;
  • 20.600 bicicletas em circulação, distribuídas por 1.451 estações;
  • Disponível 24 horas / 7 dias da semana;
  • 400 colaboradores JCDecaux garantem a viabilidade deste sistema.
LYON – VÉLO’V
 
  • Lançada em 2005 foi um sucesso instantâneo: ao fim de um ano, contava com 60.000 subscritores e 15.000 utilizações/dia;
  • 250 estações e 3000 bicicletas, VELO’V deu um contributo importante para o aumento da utilização deste meio de transporte em 45%;
  • Aumento da qualidade de vida: evitada a emissão de 2.400 toneladas de cO2. 
LUXEMBURGO – VEL’OH
 
  • Apenas 3 meses após o seu lançamento, é já um sucesso contando com 2.030 subscritores anuais;
  • Em média as bicicletas são utilizadas 406 vezes ao dia;
  • Em comparação com cidades com a mesma população e com um sistema semelhante, Luxemburgo conta com 10% de subscrições anuais nos primeiros 3 meses de funcionamento. 
Uma Vélib por Lisboa!